Palavras ao vento

Páginas

quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Boa noite!!



Eu sei que você constantemente fica se perguntando até onde as coisas e as pessoas vão. E eu te digo: tudo vai até onde deve ir. Pode parecer uma visão conformista ou simples, mas todas as coisas que ocorrem só acontecem porque precisam acontecer. 

Clarissa Corrêa

segunda-feira, 1 de setembro de 2014



Temos que aprender que a vida é para ser simples e boa. Sem tanto rancor, sem tanta revolta, sem tanta disputa. Há muito para conhecer, há tanto para aprender, há inúmeras formas de trocar um pensamento ruim por um bom. Quando algo que você não quer surgir na sua mente modifique na hora esse pensamento. Não dê corda, trela ou faça sala para ele, senão você sabe: ele chama toda a família para passar uma temporada na sua cabeça. E ninguém precisa conviver com um time de antipáticos fazendo farra, falando alto e tirando o seu sossego.Só porque uma coisa não aconteceu da forma que você queria não quer dizer que ela não seja positiva e traga bons ensinamentos. A gente aprende com tudo que acontece, por mais que agora você acredite que esse perrengue todo é terrível, que você está sofrendo por demais, que sua vida está um lixo. Espere, respire, inspire, transpire, faça uma imersão nessa loucura, nesse desgaste, nessa dor, nessa onda forte. Depois você vai olhar para trás e perceber que sobreviveu, saiu mais forte, é valente, corajoso, tem fibra, garra e é capaz de superar qualquer dificuldade. Nada é tão difícil quanto se apresenta num primeiro momento. E tudo, tudo tem um jeito. Mas entenda: nem sempre é o seu jeito. A gente vai se adaptando ao que a vida nos apresenta. Só que a escolha sempre será minha, sua ou nossa. Isso ninguém nos tira.

Clarissa Correa.

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Sobre relacionamentos.


Muitas vezes imaginamos o quão é fácil sustentar um relacionamento. Errado! É muito mais complexo e afanoso do que idealizamos. Seja de amizade ou afetivo. As pessoas hoje se frustram com os relacionamentos, pois esperam que as pessoas haja e seja da maneira que elas gostariam que fossem. Mas cada um é um. Temos nossas limitações, nossos defeitos, nossos medos. Trazemos conosco a bagagem de nossa criação. Somos nativos de um temperamento só nosso. E não há como cobrar do outro a moldura perfeita de nós mesmos. Lidar com a diferença do outro, é um processo que requer resignação e entrosamento. É um desafio, que deve ser regado e cultivado todos os dias. Ninguém é massinha de modelar para se afeiçoar ao outro. E sim a junção de complementos para somar e completar. Amando pelo o que elas são com suas falhas e tudo mais. Amar incondicionalmente dá trabalho. Exige disposição e paciência. Leva tempo, jeito, encaixe. Não dá pra viver com o orgulho na ponta da língua, não dá para equilibrar se quando algo dá errado o outro recebe o peso da culpa. Não adianta. Ceder e consertar faz parte do amor. Edificam, nos amadurecem e nos fazem investir no cultivar. É preciso abrir espaço, respeitar quem o outro é. Não adianta forçar, obrigar. Não existe perfeição. Não existe amor comprado pronto. Existe vontade de fazer valer quem de alguma forma desperta o melhor que podemos ser.

 (desconheço a autoria)

quinta-feira, 27 de março de 2014

Reflexão



Como é fácil olhar para outra pessoa e detectar todas as imperfeições que ela tem. Como é fácil, inclusive, ser leviano e usar essas imperfeições contra ela. Difícil mesmo é se colocar no lugar do próximo. Difícil mesmo é fingir ser quem não é apenas para ser aceito, querido, amado. Já parou pra pensar que o outro, de tanto ser criticado, pode acabar mudando sua essência SÓ para agradar o resto da humanidade? Já parou para analisar que uma palavra fora do tom pode causar um rebuliço interno em quem ouviu? Temos uma responsabilidade muito grande ao lidar com as pessoas. Temos que aceitá-las como são.


E agora te pergunto: nós nos aceitamos como somos? Temos que ser bons em tudo. Nos olhamos no espelho e tentamos a todo custo encobrir nossas falhas. Queremos ser lindos, inteligentes, poderosos. Para quê? Para quem? Para receber aplausos, flores, elogios. Para nosso ego sorrir. Muitas vezes carregamos uma série de culpas de todos os números e cores, que pesam os ombros ao final de cada dia. Junto com elas, vem aquele e se. E se eu tivesse feito, e se não tivesse desistido, e se não tivesse dito. E se você parasse agora de se criticar, cobrar e não perdoar? E se você e eu aceitássemos de uma vez por todas as nossas imperfeições? Tenho certeza que o mundo ficaria mais leve.

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

Música




"Se fosse ensinar a uma criança a beleza da música não começaria com partituras, notas e pautas. Ouviríamos juntos as melodias mais gostosas e lhe contaria sobre os instrumentos que fazem a música. Aí, encantada com a beleza da música, ela mesma me pediria que lhe ensinasse o mistério daquelas bolinhas pretas escritas sobre cinco linhas. Porque as bolinhas pretas e as cinco linhas são apenas ferramentas para a produção da beleza musical. A experiência da beleza tem de vir antes".



Rubem Alves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...